Aqui é o ponto de encontro de todos os que gostam de ler, de falar de livros, de ilustrar as passagens preferidas, de partilhar leituras…
Vamos conversar?
Neste espaço, podemos partilhar com os outros as nossas opiniões sobre livros/textos que apreciamos, leituras que adoramos e, também, conhecer novos livros interessantes. Leste um livro interessante? Então, fala-nos um pouco dele. Vem até aqui, ao nosso PONTO de ENCONTRO, um espaço que gostaríamos que fosse verdadeiramente NOSSO, de toda a Comunidade Educativa.
“Ler é sonhar pela mão de outrem.” Fernando Pessoa
publicado por Cidália Loureiro e Lídia Valadares | Sábado, 16 Junho , 2012, 20:45

AS MIL PALAVRAS DE UMA IMAGEM

 


 

Certamente que já ouviu a expressão: “uma imagem vale mais do que mil palavras”. Esta é, sem dúvida, uma verdade, mas também não será menos verdade que uma palavra pode sugerir mil imagens. E é suficiente pronunciar água para poder compreendê-lo.

Resulta curioso comprovar como cada um percebe a realidade em função da sua cultura. Talvez para uma pessoa que adormece cada dia com o sussurro do rio, a palavra água lhe faça ver a corrente entre as pedras e as frondosas margens. O agricultor vê a chuva no seu quintal. O pescador vê a maré e a sua vida nas imagens do mar e talvez o químico veja a fórmula H2O ou a imagem da molécula que a forma.

Água não é a mesma coisa no Sahara e na Amazónia. A palavra é uma entidade vazia, abstrata. O que faz uma palavra diferente da outra é o conceito que representa e nós, os seres humanos, identificamos a maior parte dos conceitos através das imagens que temos deles.

A cultura muda a vida das pessoas e é determinante nas nossas experiências vitais. Por isso é tão importante o intercâmbio cultural, seja entre países, pessoas, disciplinas escolares ou artes.

Todas as artes têm um fundo em comum: nasceram da necessidade individual do homem de comunicar, da vontade de partilhar os seus sentimentos, ideias e a sua forma de perceber a vida.

Cada arte utiliza o seu meio de expressão: a escultura expressa-se com volumes e vazios, a música fá-lo com sons estruturados, a dança, através do movimento harmonioso dos corpos, a literatura, com palavras e a pintura, com imagens. Mas, como tudo na vida, todas elas estão unidas por um fio invisível, complementando-se umas com as outras. São filhas de uma mesma mãe e não querem nem podem estar separadas. Assim, o cinema, cujo meio é o movimento das imagens, nutre-se da literatura, da música, da dança e de muitas outras vertentes artísticas, para se enriquecer.

No caso da pintura e literatura, existe uma união profunda e ancestral, especialmente se falarmos de expressão plástica e de escrita. Sabemos que a expressão plástica é anterior à escrita. Os homens da pré-história deixaram constância disso mesmo nas magníficas, místicas e mágicas pinturas rupestres. Mas o homem é um ser social e tinha de comunicar com os outros. Primeiro fê-lo com gestos e sons. Os sons tornaram-se desenhos, imagens que representavam conceitos, (como nos hieróglifos), os conceitos foram-se decompondo em palavras e as palavras em letras. E o que são as letras senão um conjunto de linhas? E não é isso um desenho, uma imagem?

A caligrafia é a arte de escrever empregando belos signos, senão vejamos a arte da linha, em árabe, que é um bom exemplo desta união. É certo que depois da imprensa, e ainda mais com os computadores, a caligrafia perdeu prestígio, mas continua a ser uma arte muito viva em alguns países, como no Japão, e sobretudo é uma importante fonte de inspiração para os criadores de novas tipografias. A tipografia tem muita responsabilidade na compreensão dum texto e nas sensações que provoca, da mesma forma que o nosso sistema de escrita e leitura (da esquerda para a direita, de cima para baixo) tem muita responsabilidade na forma como olhamos/lemos uma imagem.

Tudo isto é linguagem visual. Uma linguagem que tem também um alfabeto, uma gramática e uma sintaxe.

Numa pintura, a perspetiva são os capítulos de um livro, a composição são os parágrafos de um texto, o tipo de pintura é a tipografia; manchas, linhas e texturas são as palavras, as cores são os adjetivos, as formas são os verbos, o ponto é o ponto final, a vírgula, o ponto de exclamação e de interrogação. Um ponto numa imagem é um silêncio, ou uma pausa, mas também é um grito ou uma pergunta. É uma das entidades mais fortes e poderosas... Exatamente como na literatura.

As duas artes complementam-se e, se isoladas são fortes, juntas são-no ainda mais. Por isso, muitos livros têm imagens e muitos quadros têm título. Textos mais complexos utilizam ilustrações explicativas ou sugestivas para esclarecer a sua mensagem, e a mensagem dum quadro abstrato pode chegar melhor e a um maior número de pessoas acompanhada de algumas palavras. Mas não é só esta a força da união entre estas duas artes. Por um lado, graças aos pintores conhecemos os rostos de inúmeras personagens: desde a bela Beatriz de Dante, até à imagem que temos de Deus ou de Don Quixote. Por outro, graças aos escritores conhecemos as razões que originaram muitos quadros, a vida dos artistas ou histórias misteriosas e fantásticas das suas obras, como é o caso do Código Da Vinci, de Dan Brown.

Livros e quadros são construtores de histórias, imagens da nossa realidade, veículos para fazer viagens no tempo e no espaço, portas para interligar mundos diferentes, janelas para espreitar a nossa fantasia...

Caro leitor, experimente, procure as mil palavras de uma imagem e as mil imagens de uma palavra. Acredite que vai surpreender-se!

 

Gema Sedano Herrera


De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Junho 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

13
14
15

17
18
19
20
23

24
25
26
27
28
29
30


LER
“O prazer de ler e de escrever não é um acto solitário, é uma forma de entrar em relação com o outro, de partilhar uma paixão.” Cláudia Freitas, Leituras Cruzadas
blogs SAPO
subscrever feeds