Aqui é o ponto de encontro de todos os que gostam de ler, de falar de livros, de ilustrar as passagens preferidas, de partilhar leituras…
Vamos conversar?
Neste espaço, podemos partilhar com os outros as nossas opiniões sobre livros/textos que apreciamos, leituras que adoramos e, também, conhecer novos livros interessantes. Leste um livro interessante? Então, fala-nos um pouco dele. Vem até aqui, ao nosso PONTO de ENCONTRO, um espaço que gostaríamos que fosse verdadeiramente NOSSO, de toda a Comunidade Educativa.
“Ler é sonhar pela mão de outrem.” Fernando Pessoa
publicado por Cidália Loureiro e Lídia Valadares | Sábado, 17 Julho , 2010, 22:18

 

Não sei porque razão nem faço a mais pequena ideia dos motivos pelos quais as histórias conseguem combinar a ficção com a emoção, nem sei como podem pequenas letras misturadas umas com as outras dar o que dão, obras valiosíssimas construídas sob a batuta de uma mão hábil e autenticadas por um pensamento repleto de coisas por inventar e, depois de inventadas, constituem-se achados saídos da cabeça de alguém.

Não sei, julgo não saber, mas, quando lanço os olhos por um livro e o leio com total entrega à tarefa da “degustação” das letras, a resposta manifesta-se a cada frase, paragrafo, página ou capítulo.

A aproximação entre leitor/história ganha forma e desta intimidade a história ficcionada torna-se numa emocionada vivência, pois o poder de uma boa história permite-nos absorver o enredo e no final, a percepção daquilo que se leu aviva os nossos sentimentos, sejam eles quais forem.

Então sei o que até então parecia não saber ou pelo menos não lembrava. Às vezes, esquecemo-nos de nos lembrarmos e quando reavivamos a memória, a lembrança parece descobrir coisas novas, entretanto esquecidas pela ausência do uso.

A leitura contínua aviva sentimentos e assim, os efeitos sobrepõem-se pela causa, compactada numa história que depois de lida fará parte do nosso mundo das coisas descobertas através da leitura.

A história do “Palhaço Verde” de Matilde Rosa Araújo parece enquadrar-se neste capítulo da ficção/ emoção, pois lida (esta história) fica-se com a sensação de que este menino bem podia ser um de nós…

Mas, o que torna esta história tão “apetecível”? Talvez o facto de ter sido tão bem pensada, escrita e recheada com detalhes tão reais que quase nos faz querer ser esse menino.

Esta história fala de um menino que ao ver-se ao espelho, descobriu em si pequenos traços de riso, de graça e como foi capaz de rir de si, achou-se capaz de fazer rir os outros.

Não um palhaço qualquer, era um palhaço que “… tinha os olhos que brilhavam como estrelas e no peito um coração de oiro…” e o sonho de fazer rir todos os meninos.

Então, arranjou umas roupas engraçadas e vestido a condizer com o riso transformou-se num palhaço. O mais lindo, o “Palhaço Verde” por causa do seu chapéu, “…verde tenro da cor dos prados…”

Uma história lindíssima e intemporal, caracterizada pela fantasia, mas adequada ao nosso tempo onde se vai sentindo a falta dos sonhos, dos bons sonhos.

Porque sonhou, Matilde Rosa Araújo escreveu esta história e entregou-no-la para que possamos sonhar.

Afinal, de onde nascem as histórias senão do sonho!

O “Palhaço Verde” é a prova disso…

 

Jorge Almeida


Manuel Augusto a 19 de Julho de 2010 às 21:05
Gostei da forma como está história foi apresentada. Fiquei com vontade de a conhecer melhor e o meu próximo passo será inteirar-me de toda a história. Vou le-la e descobrir os seus encantos

mais sobre mim
Julho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


LER
“O prazer de ler e de escrever não é um acto solitário, é uma forma de entrar em relação com o outro, de partilhar uma paixão.” Cláudia Freitas, Leituras Cruzadas
blogs SAPO