Aqui é o ponto de encontro de todos os que gostam de ler, de falar de livros, de ilustrar as passagens preferidas, de partilhar leituras…
Vamos conversar?
Neste espaço, podemos partilhar com os outros as nossas opiniões sobre livros/textos que apreciamos, leituras que adoramos e, também, conhecer novos livros interessantes. Leste um livro interessante? Então, fala-nos um pouco dele. Vem até aqui, ao nosso PONTO de ENCONTRO, um espaço que gostaríamos que fosse verdadeiramente NOSSO, de toda a Comunidade Educativa.
“Ler é sonhar pela mão de outrem.” Fernando Pessoa
publicado por Cidália Loureiro e Lídia Valadares | Quinta-feira, 04 Março , 2010, 22:38

LIÇÕES DE UM PRINCIPEZINHO

 

“O Principezinho” é uma obra em que a sociedade adulta é constantemente criticada quer pelo narrador, quer pelo Principezinho e até pela raposa, devido ao seu egocentrismo, à falta de lealdade e à perda daquela ingenuidade de criança, daquela vontade de brincar e da alegria perante as coisas novas.
Na minha opinião, é um livro que nos delicia, é de uma leitura leve e considero que uma leitura colectiva seja a mais indicada para uma melhor compreensão do livro e uma reflexão das críticas nele feitas.
            No início, o narrador fala-nos sobre partes da sua vida enquanto criança, como, por exemplo, aquela em que o seu desenho de uma jibóia aberta e fechada a comer um elefante foi confundido com o desenho de um simples chapéu. Aí, os adultos, sem se aperceberem, destruíram um sonho a um pequeno humano. Tal levou-o a desistir da sua vida artística e a dedicar-se aos estudos.
            Mais tarde, torna-se aviador e é quando ocorre uma avaria no avião, que o deixa no meio do deserto do Sahara, que a sua vida muda. Ele encontra um rapaz vindo de um asteróide que lhe conta a sua viagem até à Terra. Conta-lhe sobre os planetas em que passou e as personagens que lá encontrou. Cada uma representa um defeito da sociedade actual: o rei evidencia a ambição pelo poder, o vaidoso revela o egocentrismo, o bêbedo, esse penso que seja a cobardia, o homem de negócios espelha o desejo desmedido de ter/possuir e o geógrafo revela uma concentração única no seu trabalho, ignorando tudo o que o rodeia. Gostaria, também, de manifestar a minha opinião sobre o acendedor de candeeiros, pois, na minha perspectiva, é o único onde não vejo defeitos e que apresenta valores, como o trabalho e o esforço.
            Após a passagem por diversos planetas, o Principezinho visita a Terra onde encontra uma personagem muito singular: a raposa com quem estabelece um diálogo muito interessante. Considero que a coisa mais importante neste livro é a tal frase célebre dita pela raposa: “O essencial é invisível para os olhos.”. Esta frase é deveras complexa para ser explicada, mas para mim significa que só se vê bem com o coração. E mesmo desconhecendo esta frase, eu já conhecia o seu significado há mais de 3 anos, desde que na minha vida entrou uma pessoa única e importantíssima, uma amiga que jamais irá sair do meu coração. Esta pequena frase, com um grande significado, proferida pela raposa, faz o Principezinho ver que a sua flor é única no mundo, mesmo sendo parecida com as restantes.
            Gostei igualmente da parte final, em que o Principezinho partiu. Essa parte deu-me uma grande lição: a partir daqui não vejo as partidas como um “bicho-de-sete-cabeças”, encaro-as como uma partida, mas com esperança de uma possível chegada.
 
 

Ana Rita Gouveia, 8º 1


mais sobre mim
Março 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12

14
15
17
18
19

21
23
25
27

28
29
30
31


LER
“O prazer de ler e de escrever não é um acto solitário, é uma forma de entrar em relação com o outro, de partilhar uma paixão.” Cláudia Freitas, Leituras Cruzadas
blogs SAPO